quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Aprendendo a perdoar e se expor


Quando perdoamos não apenas liberamos a outra pessoa, mas principalmente liberamos a nós mesmos. O sentimento de vingança, raiva, ódio é auto-destrutivo. É como tomar veneno e esperar o outro morrer.


Quem perdoa vive feliz. Não há como ser feliz sem perdoar. Temos expectativas altas sobre as pessoas e às vezes impomos coisas demais para amá-las e nos esquecemos que amamos estas pessoas independente do que seja, simplesmente amamos. Amar também significa perdoar os pequenos defeitos, saber entender no momento de necessidade, estar do lado na angústia e caminhar junto mostrando a direção quando o outro não sabe e claro, estar disposto a se expor e ser ajudado. A intimidade é mais do que apenas desfrutar momentos bons juntos ou estar o tempo todo do lado. A intimidade é conhecer cada defeito e amar cada detalhe. Intimidade é não ter medo de expor suas angústias, problemas e defeitos. É sentir confiança de que o outro não vai me condenar, mas sim me apoiar sempre.
Carregamos sobre os nossos ombros um fardo pesado demais, onde na maioria das vezes é um peso de falta de perdão seja com os outros, seja consigo mesmo. Falta de perdão por achar que poderia ter feito diferente, ou por se sentir incapaz, ou por achar que não pode mudar, ou por simplesmente ter esquecido que o fardo de Jesus é leve.
A vida em abundância que Jesus disse que veio pra dar vai além do que as pessoas dizem que tem. Muitos dizem que tem Jesus no coração e que desta forma tem paz e vida em abundância. Isto não necessariamente é verdade.
Para se ter paz no coração e vida em abundância é necessário amar e perdoar. Se não há perdão não há vida em abundância. Se não há amor não há plenitude de vida. Se não há entrega não há nada de novo.
Temos medo do novo. Medo de nos entregar. Não confiamos em ninguém e acabamos criando uma bolha sobre nós para não precisar nos expor para ninguém. Pouquíssimas pessoas, ou ninguém nos conhece de verdade. Assim carregamos um fardo sozinhos, fardo esse difícil demais de carregar. Criamos máscaras, nos isolamos.
E assim é nosso relacionamento com Deus. Não nos expomos para aquele que nos criou e sabe tudo, mas apenas quer nossa dependência dEle. Buscamos a Deus como um consultor, aquele que nos ajuda em casos especiais que não conseguimos lidar. É nosso empregado especial. Ou então dizemos que Deus está acima de tudo na nossa vida. Ás vezes Ele está tão acima de tudo, que fica até alto demais para participar de nossa vida. É como a Bíblia, é tão sagrada que nem encostamos nela.
Deus quer participar de tudo. Quando nos criou não foi para que fosse nosso Deus apenas, para colocarmos acima de tudo, mas sim para caminharmos juntos dEle. Ele nos ama.
Libere-se do seu fardo. Exponha-se para Jesus. Perdoe se libere desta mágoa que apenas não te permite continuar a crescer.
Quando Jesus disse que o fardo dele é leve e o jugo é suave, é porque o Jugo era o cangalho do boi. Onde era colocado sobre dois bois para arar a terra.
Se fosse colocado sobre dois bois inexperientes, ambos iriam achar o jugo leve demais no inicio e iriam rápido ficando totalmente fatigados no meio do dia. Desta forma o agricultor colocava um boi mais experiente do lado de outro inexperiente, para que este aprendesse com o outro e assim caminhavam a jornada de um dia nos passos certos agüentando levar a carga tranquilamente.
Jesus quer caminhar do nosso lado e nos ensinar a levar nosso jugo. O jugo dele é suave. Ele é o boi experiente. Não queira ir só, porque no meio do caminho você não vai agüentar mais.
Aprenda com Jesus que é manso e humilde. Exponha-se pra Ele. Busque intimidade com o Pai. Ele já sabe e continua te amando, basta você falar o que Ele já sabe e já perdoou, mas Ele quer te ouvir.
Que Deus, o nosso amado Pai nos abençoe!
Por: Daniel Simoncelos

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

O grande mal da ansiedade


















Mateus – 6 – 25 : 25 A palavra ansiedade, na língua grega, significa estrangulamento. A ansiedade nos tira o oxigênio, corta o nosso fôlego e nos asfixia. Ela rouba nossas forças, embaça nossos olhos e tira de nós a perspectiva do futuro. A ansiedade é um mal que atinge a todos, pobres e ricos, doutores e analfabetos, homens e mulheres, adultos e crianças. A pressão da vida moderna, a falta de comunicação no lar, o isolamento das pessoas e a ausência da comunhão com Deus abrem a porta para a ansiedade.
Jesus nos alerta a não vivermos ansiosos com respeito ao dia de amanhã, quanto ao que havemos de comer, beber ou vestir (Mt 6.25). Não administramos o futuro, por isso não podemos sofrer por alguma coisa que ainda está para acontecer. A ansiedade é inútil, pois além de não nos ajudar a resolver o problema amanhã, ela nos enfraquece hoje. A ansiedade é incoerente, pois muitas vezes sofremos hoje por algo que jamais vai acontecer.
 E se tivermos de enfrentar um problema, a ansiedade nos leva a sofrer duas vezes, pois sofremos antes e quando o problema chega, vamos ter que encará-lo novamente. A ansiedade é um ato de incredulidade. Ficamos ansiosos porque duvidamos que Deus é poderoso e suficiente para cuidar da nossa vida. Onde a ansiedade se instala, a fé não tem mais espaço.
Jesus nos ensina que a criação de Deus é um antídoto contra a ansiedade. Os pássaros não semeiam, não colhem nem ajuntam em celeiros, mas Deus os alimenta. Os lírios do campo se vestem garbosamente e eles não trabalham nem fiam, no entanto nem Salomão em toda a sua glória se vestiu como eles (Mt 6.28,29). O apóstolo Paulo diz que não devemos ficar ansiosos por coisa alguma, antes devemos apresentar a Deus em oração nossas necessidades (Fp 4.6). O apóstolo Pedro diz que devemos lançar sobre o Senhor toda a nossa ansiedade porque ele tem cuidado de nós (1 Pe 5.7).
Davi nos ensina a receita para a cura da ansiedade. Ele diz que devemos nos agradar de Deus, sabendo que ele é poderoso para satisfazer os desejos do nosso coração (Sl 37.4). Temos que ter a coragem de entregar nosso caminho ao Senhor, confiar e descansar nele, sabendo que ele tudo fará por nós (Sl 37.5,7). O mesmo Deus que está na sala de comando do universo também dirige a nossa vida. Nossas crises não o apanham de surpresa. Ele conhece nossas necessidades antes mesmo que as apresentemos a ele. Nós valemos mais que as aves do céu e os lírios do campo. Ele jamais vai desistir de completar sua obra em nós. Se ele nos permite passar por situações difíceis isso não significa ausência de amor nem falta de cuidado, mas ação pedagógica para esculpir em nós o caráter de Cristo. Deus está trabalhando em nós e nos transformando de glória em glória para refletirmos a imagem do seu Filho. Todas as coisas que se nos vêm são trabalhadas pela providência divina para o nosso bem último e maior (Rm 8.28).
Não deixe seu coração ficar prisioneiro da ansiedade. A Bíblia diz que “a ansiedade no coração do homem o abate” (Pv 12.25), mas “o ânimo sereno é a vida do corpo” (Pv 14.30). Diz a Escritura: “O coração alegre é bom remédio, mas o espírito abatido faz secar os ossos” (Pv 17.22). Descanse em Deus. Tire os seus olhos das circunstâncias e ponha-os naquele que está acima e no controle das circunstâncias. Não entre na caverna da depressão, mas diga à sua própria alma: “Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu” (Sl 42.11).


Pastor: Izaias Theodoro

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O que Jesus fala sobre o divórcio?




Baseadas nos textos de Mateus 19:3-12; Marcos 10:2-12; Lucas 116:18):
• Porque os fariseus tinham dúvidas sobre o divórcio e experimentaram Jesus perguntando se era lícito… se Moisés permitiu é porque foi Deus quem ordenou a Moisés. Ou os fariseus não concordavam com Moisés?
• Porque Jesus diz que o que Deus ajuntou não separe o homem? Quem é esse homem que Jesus se refere? Será que é o profeta Moisés que permitiu o divórcio? Com essa resposta Jesus quis dizer que o casamento é indissolúvel?
• Porque afirma Jesus em Mateus 19:3-12… Se Moisés permitiu o divórcio, porque Jesus não?
• Em Mateus 19:9 Jesus permite o divórcio em caso de relações ilícitas. O que são relações ilícitas? Em outra versão diz que o divórcio é permitido em caso de fornicação. O que é fornicação?
• Se a separação foi por outro motivo e se o homem ou mulher passar a viver juntos com outra pessoa, eles estão em adultério?
• Se caso um era solteiro e outro casado e passam a viver juntos, quem está em adultério?
Estas perguntas são muito interessantes e merecem estudo e reflexão.
O objetivo dos fariseus ao experimentar Jesus era “arranjar um motivo pelo qual pudessem acusar a Jesus” para poder matá-lo. Eles queriam que o Senhor Jesus ‘tropeçasse’ na interpretação da lei, pois assim, teriam “com o que” acusa-lo. Eles estavam a um bom tempo tentando fazer isto, mas não conseguiam.
Jesus disse que nunca foi o propósito de Deus que o casal se separasse. Ele apoiou seu ensino com os versos Bíblicos de Gênesis 1:27; 5:2 e 2:24.
O detalhe é que os fariseus não aceitavam esta interpretação, pois não entenderam o verdadeiro significado da “permissão de Moisés acerca do divórcio”. Vejamos:
A orientação de Moisés está registrada em Deuteronômio e é mencionada também em Mateus:
“Se um homem tomar uma mulher e se casar com ela, e se ela não for agradável aos seus olhos, por ter ele achado coisa indecente nela, e se ele lhe lavrar um termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir de casa; e se ela, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem; e se este a aborrecer, e lhe lavrar termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir da sua casa ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer, então, seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a desposá-la para que seja sua mulher, depois que foi contaminada, pois é abominação perante o SENHOR; assim, não farás pecar a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança”. (Deuteronômio 24:1-4).
“Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio”. (Mateus 5:31).
Analisando o contexto externo do texto (histórico, cultural, etc), iremos ver que Jesus não estava em conflito com Moisés.
Nunca foi parte do plano original de Deus; ele “foi aprovado transitoriamente na lei de Moisés devido a “dureza” do coração dos homens (cap. 19: 7-8)” .
“Deve destacar-se que a lei de Moisés não instruiu o divórcio. Por ordem divina, Moisés tolerou o divórcio e o regulamentou a fim de evitar abusos” .
As mulheres não tinham direitos; e, para protegê-las, Deus permitiu que Moisés criasse esta lei, a fim de que as mulheres tivessem uma nova chance.
Qual era a natureza e o propósito da lei de Moisés no que diz respeito ao divórcio? Texto base: Dt 24:1-4.
Vejamos o que diz o seguinte comentário bíblico:
*Coisa indecente.
Literalmente, “desnudes”; figuradamente, como aqui: “algo vergonhoso”, “uma desonra”. Não podia tratar-se de adultério, porque isto devia ser castigado com a morte (Deut. 22: 22; cf. Mat. 19: 9). Devia tratar-se de alguma maneira de atuar considerada imprópria pelo marido. Os judeus entendiam que este preceito mosaico permitia a um homem divorciar-se de sua mulher quase por qualquer motivo (Mat. 19: 3, 7). Sem obstáculos, Cristo explicou que não era a vontade de Deus que se obtivesse tão facilmente o divórcio (Mat. 19: 4-6), e que esta legislação só havia sido dada por causa da “dureza” dos corações deles (Mat. 19: 8).
*Carta de divórcio.
Literalmente, “uma nota de separação”.
*Lhe entregará.
Isto devia fazer-se formalmente, provavelmente perante testemunhas, a fim de que tivesse validez legal e fosse incontestável .
*A despedirá.
Novamente um ato formal. Provavelmente o esposo estava obrigado a despedi-la provida, pelo menos, com os meios suficientes como para chegar bem até a casa de seu pai (Gén. 21: 14; cf. Deut. 15: 13).
*Poderá ir.
Sua partida formal era um anúncio público de que já não era mais a esposa desse homem e que por tanto estava livre para casar-se de novo. A “nota de separação” ou “nota de corte” dissolvia por completo o matrimônio.
A consumação do matrimônio com um segundo marido a tornava “vil” para o primeiro. Se alguma vez ele tornava a toma-la por mulher, cometia adultério. Ela lhe era ilícita como esposa (ver Jer. 3: 1).
*Perverter a terra.
… Se bem que Deus tolerou algumas coisas as quais certamente não podia dar sua aprovação, havia limites mais além dos quais o homem não podia passar. Muitas vezes a “terra” aparece personificada, como si pudesse atuar e sentir (ver Lev. 18: 25; Isa.24:5).
Algumas pessoas hoje se referem a Deut. 24:1-4 como base do que chamam “divórcio cristão”. Porém, na realidade, estes versículos nos revelam a vida doméstica dos judeus, na qual ao tomar uma esposa equivalia a adquirir uma propriedade. A autoridade do esposo sobre sua mulher era quase absoluta. O propósito da lei aqui enunciada era melhorar a sorte da mulher hebréia. Esta lei, longe de estabelecer uma baixa norma moral, ou de aprovar uma norma tal, representava uma norma muito mais elevada que a reconhecida pelos cruéis costumes daquele tempo.
A lei garantia à mulher divorciada certos direitos, e na realidade a protegia de ser considerada adúltera ou rejeitada pela sociedade. Deixava a casa de seu primeiro marido como mulher livre e respeitada pela sociedade, apta para contrair um matrimônio honroso.
A carta de divórcio estabelecia que seu primeiro esposo já não tinha mais jurisdição legal sobre ela e que ela não tinha nenhum tipo de obrigação para com ele, senão que estava livre para ser esposa de outro homem. Ao voltar a casar, não se fazia culpada de adultério, nem se violavam os direitos de seu primeiro marido.
A lei mosaica sobre o divórcio não foi dada para anular os ideais do matrimônio instituído por Deus na criação, senão a causa da “dureza” dos corações humanos (Mat. 19: 8). A sorte de uma mulher só e desprezada era deplorável. A carta de divórcio aliviava seu infortúnio. Esta lei simplesmente reconhecia a situação existente e buscava melhora-la. Esta era uma lei de permissão, e não de obrigação. Estas mesmas restrições tinham por objetivo eliminar o fácil processo de divórcio que evidentemente os hebreus haviam aprendido em sua associação com os povos pagãos.
Cristo falou enfaticamente contra o conceito de ter uma esposa como propriedade (Mat. 5: 27-32; 19: 3-9). Essa prática havia acarretado muita desgraça e injustiça às mulheres judias. A escola de Hillel, que sustentava a filosofia religiosa popular judia nos tempos de Cristo, interpretava como “coisa indecente” (Deut. 24: 1) qualquer coisa que lhe resultara desagradável ao marido. A escola de Shammai, mais estrita e menos popular, definia como “coisa indecente” algum ato comprovado de falta de pudor ou adultério. Nos tempos de Cristo, a escola de Hillel permitia o divórcio por pequenas coisas como a exibição do braço de uma mulher em público, ou que a esposa queimasse a comida de seu marido, ou quando o esposo encontrava outra mulher mais atraente. Desta atitude escreveu Josefo: “O que deseja divorciar-se de sua mulher por qualquer coisa (e muitas causas tais se dão entre os homens), que dê por escrito a certeza de que nunca mais a usará como sua mulher, porque assim ela estará livre de casar-se com outro marido, se bem que antes de dar-se esta carta de divorcio, não deve permitir-se-lhe faze-lo” (Antiguidades, iv. 8. 23).
A lei de Deut. 24: 1-4 não instruiu o divórcio, senão que o tolerou em vista das imperfeições da natureza humana e aos baixos conceitos morais do povo de deus nesse tempo. Para conhecer a opinião de Deus a respeito do matrimônio é preciso não se deter em Deut. 24: 1-4, senão, como o fizera Jesus, hoje se remontar a Gen. 1: 27 e 2: 24 (Mat. 5: 27-32; 19: 3-9). O conselho escrito por Moisés para a gente de seus dias deve interpretar-se à luz dos costumes de sua época, e não da nossa, e sempre tendo em vista o ideal divino. Uma vez mais Cristo elevou à vista dos homens esse divino ideal ordenado no Éden. Esse primeiro matrimônio nos proporciona o modelo dado por Deus para seu povo de hoje.
Em Mateus 19:9 Jesus permite o divórcio em caso de relações ilícitas. O que é relações ilícitas? Em outra versão diz que o divórcio é permitido em caso de fornicação. O que é fornicação?
Relações sexuais ilícitas é a toda prática sexual ilícita, ou seja, que não é conforme o plano de Deus. Neste verso, refere-se especificamente ao “adultério”.
Na outra versão bíblica, (Versão Figueiredo), há a expressão “fornicação” ao invés de “adultério”. Por que?
A palavra grega que aparece em Mateus 19:9 para “adultério” no original é porneia (porneia) Esta palavra pode ser traduzida por diferentes palavras, tais como:
- Adultério;
- Fornicação;
- Homossexualismo;
- Lesbianismo;
- Bestialidade.
- Etc.
Tanto uma quanto a outra está correta; mas, de acordo com o contexto do verso, “porneia” é melhor traduzida por “adultério”, ou seja, “relações sexuais ilícitas”.
Fornicação é “o ato sexual praticado fora do casamento”.
Se a separação foi por outro motivo e se o homem ou mulher passar a viver juntos com outra pessoa, eles estão em adultério?
Sim. A pessoa ao separar-se por qualquer motivo e casar-se com alguém, comete adultério.
Isto não quer dizer que Deus não possa ajudar tal casal; Ele tem o desejo de ajudar a todos estes casais que não estão ainda com sua situação conjugal acertada.
É importantíssimo que o casal recorra a Deus a fim de ter solucionado sua situação.
Se caso um era solteiro e outro casado e passam a viver juntos, quem está em adultério?
Os dois estão adulterando, pois “ambos estão envolvidos na prática sexual errada”.
Leandro S. de Quadros.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Oração de um Pecador




Jesus?

Oi filhão! =D

Er.. Oi… Sou eu de novo… To aqui de volta… Cansado e triste.


Porque?

Ah Jesus! Eu tentei! Tentei me levantar mas não consigo! Depois de nossa última conversa pensei que tudo iria fluir tranquilamente, mas ainda assim cai novamente! Isso parece impossível, nunca vou vencer!!
Você tem razão filho…

O que???? É impossível mesmo? Eu nunca vou vencer???

Exatamente! Você é carne, tem a tendência natural para o pecado.  É impossível deixar de pecar… MAS é nesse momento que entra o milagre da cruz. VOCÊ nunca vai vencer mesmo porque quem vence, SOS NÓS! Você tem tentado vencer o pecado atravé de sua própria força, mas é na minha força que você vencerá!
Lembra na semana passada o que te falei sobre os frutos de arrependimento?


Sim…

Então, conseguiu gerar algum?

No começo até que estava indo bem, mas depois…

Isso porque você se apoiou em sua força e em seu conhecimento. Achou que sozinho poderia vencer o pecado só que é o Espirito Santo quem vence o pecado em sua vida. Eu te falei que é Ele quem iria gerar em você o verdadeiro arrependimento. Outra pergunta, quanto tempo você investiu lendo minha palavra e me buscando em oração nesta semana?

Hum…. Bem pouco…

Filhão, lembra de João 15?
Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.
Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.
Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.
Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.
Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.
Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor.
Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.
Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo.
O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.
Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.
Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.
Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer.
Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda.
É preciso estar ligado na videira que sou eu filhão!

Mas é difícil voltar a orar como antes….

Filho, é como academia. Você não entra levantando 20k na primeira semana. Começa com pouco e gradativamente, a medida que seus musculos vão ficando fortes você levanta pesos maiores. Não estou aqui dizendo para você ler o novo testamento na primeira semana nem pra ficar orando por horas. Comece aos poucos, nem que for um único versículo, nem que for 5 minutos de suas 24h diárias.

Entendi…. Estava achando que em minha própria força eu venceria… É em Tua força que eu vou vencer e ser liberto do pecado, mas se não buscar ao Senhor e ao Seu Espirito, vou novamente cair. Preciso estar ligado na videira que é o Senhor.

É isso mesmo!
Mas e se eu cair de novo?

Bom, então levante de novo! Todo pecado, gera consequencias e sempre você terá que arcar com elas, mas através de meu sangue você encontra perdão e em mim um incondicional amor! Eu simplesmente jamais vou desistir de você. Não interessa o que ocorra, sempre estarei te amando e desejando cumprir em você os meus propósitos.

=D obrigado mais uma vez Jesus! Desta vez vou vencer através do poder do Teu Santo Espírito e não na minha força. Também te amo e quero fazer Tua vontade em minha vida!

Amém…

Por: Fernando Ortega

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

O que vai acontecer com os não crentes quando Jesus Voltar?




Para você que está preocupado com a volta (advento) de Jesus e não tem certeza do que vai acontecer com as pessoas que ainda não creram que Jesus é o único capaz de salva-las.

Para responder a pergunta “titulo” deste comentário precisamos olhar com muita atenção para alguns textos bíblicos, e sem demora de forma direta vou tentar te deixar mais preocupado ainda do que já esta com respeito aos chamados ímpios (não crentes), pois creio que se está preocupado é porque deseja que elas sejam salvas, e com base nisso vou dar uma forcinha pra você ter mais força em arrebatá-las do fogo em nome de Jesus.

A questão é de máxima importância e de certa forma difícil de se compreender por isso inicio com o texto de Hb11.1 Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem. (ARA)
O fato é que existem muitas versões á respeito de como Jesus virá, o que vai acontecer com os crentes e os não crentes por ocasião da sua volta e para alinhar alguns critérios vou expor aqui alguns textos tais como o de Mateus 16.27, 24.30 e 44, João 14.3, Atos 1.10 e 11, Colossenses 3.4 1Tessanolissenses 4.16 e Apocalipse 1.7, percebemos a afirmação de dois anjos que Jesus virá da mesma forma que subiu, cremos que Jesus foi arrebatado aos céus de forma literal, então Jesus virá da mesma forma, os seus discípulos o viram subir até as nuvens e nós o veremos descer sobre as nuvens, não apenas o veremos como também o ouviremos e teremos o prazer de nos encontrar com o Senhor pessoalmente, tudo isso acontecerá de forma repentina, quando menos esperarmos o Senhor Jesus virá e buscará a sua igreja. Não precisamos nos preocupar com os crentes que já dormem, pois os textos de 1Cr 15. 42-44, 49, 51-53, 1Ts 4.13-17, Lc 14.14, Jo 5.28 e 29, Ap 20.6 nos mostram claramente que os crentes em Cristo serão ressuscitados e serão arrebatados para os céus antes mesmo que os crentes vivos dos quais os textos de 1Cr 15.51-53, 1Ts 4.17, 1Jo 3.2b, 2ºCr 3.18, Fl 3.21 nos revela que todos os crentes que estarão vivos na ocasião do advento (volta) de Cristo serão transformados e arrebatados para o encontro com o Senhor Jesus nos ares, essa transformação a qual passará o corpo mortal é algo que temos de nos lembrar, o corpo mortal precisa ser revestido para ser imortal, os nossos corpos serão transformados em corpos espirituais os quais terão a capacidade de conviver com a plenitude da glória de Deus (Col 1.19 e 2.9) porque em Cristo esta a plenitude da glória celeste, isso ocorrerá também com os que estavam dormindo em Cristo, receberão novos corpos, não ressuscitarão com os seus antigos corpos humanos e sim com um novo corpo considerado por Paulo um corpo celestial como ficou claro no texto anterior de 1 Co 15.48-49, para que possam estar juntos á Cristo.


A respeito dos incrédulos que já morreram vos declaro que não irão ressuscitar no advento (volta) de Cristo, veja o texto de Apocalipse 20.5, I Tessalonicenses 4.16 nestes dois textos você verá que existe uma seqüência de acontecimentos que deverá ser seguida, e você perceberá o fato que existem dois tipos de ressurreição, e em tempos diferentes, a 1º ressurreição para a vida e a 2º para o juízo. Observe os textos de João 5.29 juntamente com os textos acima e com o texto de Ap 20.6 verá que existem de fato duas ressurreições em tempos diferentes e principalmente com propósitos diferentes, aqui vemos que o juízo final ou seja o grande julgamento não é na ocasião da vinda de cristo, apesar de nesse momento já ficar claro quem esta salvo e quem não esta (Ap 20. 5-9). A respeito dos incrédulos ainda vivos na ocasião da vinda de Jesus, percebemos através de alguns textos já citados anteriormente, que o mortal precisa ser revestido, mas vamos relembrar: O corpo mortal precisa ser revestido de imortalidade segundo o apóstolo Paulo em 1º-Coríntios 15.53, a necessidade desse revestimento segundo o apóstolo João é para que o ser humano seja transformado e possa ser semelhante a Deus 1º-João 3.2, o próprio Paulo ao escrever a sua carta (epístola) aos Filipenses no capitulo 3 versículo 20 e 21, mostra que Jesus transformará o nosso corpo de humilhação (mortal), para ser igual ao corpo de Jesus, por isso afirmo ser necessário essa transformação para vê-lo (Jesus) como ele é (Deus). O escritor aos Hebreus afirma em Hb 12.25-29 que Deus removerá todas as coisas da terra, se até as a terra será transformada o que dizer das pessoas que nela habitam, e no vs29 o escritor declara que Deus é fogo consumidor, e você pode pensar que é um erro declarar isso de forma literal, mas veja o que o apóstolo Pedro disse, Pedro declara que por ocasião da vinda de Jesus uma espécie de fogo fará estragos na terra, e também nos céus impossibilitando a vida corporal (humana) na terra, ele afirma isso em 2-Pedro 3.10 e 12, os estragos na terra ocorrerão porque Jesus dessa vês virá com todo o seu poder e glória, veja o texto de Lucas 21.27, ou seja, Jesus virá como Ele realmente é (Deus), na plenitude da divindade como afirmou Paulo ser Jesus “Cl 2.9”.

Como pode perceber a terra será totalmente desolada por ocasião da volta (advento) de Cristo, veja alguns textos proféticos sobre esse assunto (Jr25.31-33 e Ap 19.17-18), na volta de Jesus não ficará ninguém vivo na terra, não tem outra chance de arrependimento, é preciso se arrepender agora, buscar ao Senhor enquanto se pode achar, porque depois não tem mais como se arrepender, se apresse meu querido irmão e pregue a palavra insta em tempo e fora de tempo, se esforce por arrebatar os ímpios do fogo, infelizmente temos muitos não crentes em nossas famílias, dentro de nossas casas, existem muitos filhos crentes com pais descrentes, existem muitos maridos com esposas não crentes, existem muitas esposas com maridos não crentes, existem muitos familiares nossos que não estão mais na presença de Deus e isso sempre nos deixa preocupados, pois não sabemos nem o dia e nem a hora da volta de Cristo, e se você ama realmente essas pessoas vai desejar a salvação delas, por isso te aconselho: “se apresse”, alguém disse uma coisa muito importante: Enquanto há fôlego há chance de Salvação, cessando o fôlego não há mais como se arrepender. Jesus esta as portas vamos nos apressar em pregar a palavra de Salvação.

Por: Ajadil Queiroz Calácio

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Bruna Surfistinha diz que precisará de 3 anos para pagar todos seus pecados




Ontem vi no twitter algo assim: “Bruna Surfistinha diz que precisará de uns 3 anos para pagar todos seus pecados”.

Provavelmente muita gente deu risada pois ela era uma prostituta. Ela se auto-sentenciando diz que precisa de 3 anos. Talvez se você que está lendo este texto fosse sentenciá-la, quanto tempo você daria para ela?
Somos hipócritas. Nosso julgamento sempre é mais pesado para as outras pessoas do que para nós mesmos
.
A Raquel Pacheco (ex- Bruna Surfistinha) está errada. Ela não precisa de 3 anos para pagar seus pecados. Ela não pode pagar por eles.

Talvez muita gente já esteja com pedras nas mãos para atirar nesta mulher. O mesmo aconteceu na época de Jesus.

Aquela mulher fora trazida para o meio da cidade. Em pé na frente de todos. Fora pega em flagrante de adultério. O que fazer com ela? Ela tem que pagar por seu pecado. Ali aqueles fariseus não se importavam com quem era ela, com sua história ou em como ela estava se sentindo. Já estava sentenciado para eles. Pedras estavam em suas mãos.

Aquela mulher não esperava nada mais além da morte. Esperar por misericórdia? Não. Os olhos deles mostravam que não teriam.
Trazem aquela mulher e perguntam à Jesus: Ela foi pega em flagrante de adultério. A lei nos manda apedrejá-la. E você, o que diz?
Jesus nada responde. Ele se inclina e começa a escrever na areia.
Se perguntassem àquela mulher qual deveria ser sua pena, talvez ela diria o mesmo que a Raquel Pacheco. Ao perguntarmos aos fariseus, eles diriam: Morte!

Como Jesus não responde nada, aqueles homens insistem na pergunta. E Jesus, o Justo Juiz, sentencia:
- Aquele que não tiver pecado, que atire a primeira pedra!
Aquela mulher estava no centro no tribunal. Naquele momento ela não é tirada do centro. Jesus coloca todos os outros ao lado dela. Todos mereciam a condenação. Não havia ninguém ali que fosse justo. Não havia ninguém melhor que ela. Apenas histórias diferentes.
Aqueles homens ao serem confrontados e colocados de frente com seus pecados, começam desde os mais velhos até aos mais novos a soltarem as pedras.
Aquela mulher desesperada, com lágrimas nos olhos, fica ali ao lado de Jesus. Ela não acreditava que aquilo estava acontecendo. O impossível aconteceu. Jesus olha para ela e pergunta: Onde estão os seus acusadores? – Não estão mais aqui Senhor!

E Jesus dá a sentença final: – Nem eu tampouco te condeno! Vá e não peques mais!
Talvez esperássemos que passasse uma lição de moral. Talvez que mostrasse que Ele havia avisado para que ela não fizesse aquilo. Jesus não diz nada além de “Eu te perdôo”. Te dou uma nova chance. Uma nova vida. Vá e não erre novamente. Faça diferente.
É constrangedora a forma como Deus trata nossos fracassos. Ele nos ama. Não quer que sejamos fracassados. Quer o nosso bem. Ele enxerga o nosso coração e conhece nossa história.
Talvez você tenha começado a ler esse texto e já tenha dado uma risada ao ler sobre a frase da Raquel Pacheco. Porém, você é melhor que ela?

Nem ela, nem você, nem eu, podemos pagar por nossos pecados. O preço pelos nossos pecados é uma eternidade no inferno. É isso que teríamos que pagar.
Por isso Jesus morreu naquela cruz. Para te dar vida. Para perdoar nossos pecados. Para mudar o curso de nossa história de tragédias.

Existiam ex-”Brunas Surfistinhas” que se tornaram discípulas de Jesus. E foram instrumentos de Deus para levar o evangelho.

Os sãos não precisam de médico e sim os doentes.

Não seja um juiz, e sim um servo! Não condene, antes, tenha coração para com a miséria (misericórdia) das pessoas! Felizes os misericordiosos, porque estes alcançarão misericórdia da parte de Deus.

Que Deus tenha misericórdia de nós!

Por: Daniel Simoncelos

terça-feira, 13 de setembro de 2011

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Onzes de setembro em todo o mundo



11 de setembro de 2001 foi uma data terrível para todo o mundo. Já se tornou tema de filmes, debates, e retaliações dos EUA. Cerca de 3 mil pessoas morreram naquele dia por causa daquele atentado. Uma barbaridade.

Devemos sim lutar contra o terrorismo que mata tantas pessoas. Porém é apenas contra o terrorismo?
- 24 mil pesssoas morrem de fome por dia no mundo;
- 2,5 milhões de pessoas morrem por ano por causa do alcoolismo;
- 11 milhões de pessoas morrem por ano por causa de drogas ilícitas;
- 3 milhões de pessoas morrem de AIDS por ano;
- 40 crianças são abusadas sexualmente a cada 10 minutos;
- 1 pessoa se suicida no mundo a cada 30 segundos.


O terrorismo mata muito. Mas guerras, fome, drogas lícitas ou ilícitas, sexualidade deturpada e depressão matam muito mais.

Faça a diferença. Comece a se importar. Comece a lutar contra tudo isto. Jesus nos ensinou a orar dizendo: Venha o Teu Reino e seja feita a Tua Vontade!!!

Para implementarmos o Reino de Deus nesta Terra é necessário que os cristãos se envolvam e sejam verdadeiramente sal da terra na luta contra o pecado! Não de olhos fechados e mãos levantadas dentro de uma igreja. Não em 24 horas de adoração. Mas em uma vida de adoração ao Senhor buscando implementar o Reino de Deus nesta terra.
Se importando com as pessoas ao seu redor. Chorando pelos perdidos. Batalhando para que haja justiça de Deus nesta terra. Tendo coração para com a miséria das pessoas (misericórdia).

Por: Daniel Simoncelos

sábado, 10 de setembro de 2011

Robôs adoradores





















Há algo que Deus tem ministrado profundamente em meu coração nos últimos dias. É impressionante como o povo de Deus sabe tão pouco sobre Ele e têm tão pouca intimidade com Ele. O povo de Deus tem dificuldade para desassociar o conhecimento e a intimidade com Deus das atividades ou reuniões da igreja.

Deus falou isso ao meu coração. Alertou-me. Porque eu estava seguindo neste perigoso caminho robótico, mecânico e frio de permanecer apenas executando as atividades da igreja. Pensava eu que este trabalho todo traria intimidade com Deus. Pensava eu que trabalhando para Ele eu conseguiria ser um amigo mais íntimo.
E fui mais longe. Pensava eu que ficar ouvindo músicas evangélicas o dia todo traria intimidade automática. Achei que tocar e cantar músicas de conteúdo cristão por si só já faria com que eu mergulhasse nas profundezas de Deus. Rompi todos os limites quando pensei que somente indo aos cultos já era o suficiente para que um dia Deus me revelasse coisas inefáveis escondidas em Seu coração.

Com 26 anos de igreja percebi que nada do meu trabalho iria ajudar alguma coisa no meu relacionamento com Ele se eu não me dispusesse a conhecer o coração Dele. Ele é meu Pai, não meu patrão, ora bolas! Não quero ter um relacionamento com Deus de patrão – empregado, e sim de Pai - filho!

Deixe-me ser prático. Ás vezes quando eu chegava em casa de uma reunião na igreja eu pensava: “Ah, não preciso falar com Deus antes de dormir. Estava até agora trabalhando na obra Dele”. Quando vamos aprender que trabalhar para Deus não é o mesmo que amar e se relacionar com Deus??? Quando vamos aprender que Deus prefere que falemos com Ele, que o relacionamento vem antes do trabalho?

Então um dia desses resolvi fazer algo diferente. Ao invés de me deitar na cama e ligar a televisão do quarto, meditei na Palavra de Deus. Depois apaguei a luz e comecei a falar com o Espírito Santo. Foi uma experiência incrível sentir que a Presença Dele estava ali. Na verdade Ele sempre está conosco (Mateus 28:20), nós é que somos insensíveis demais para perceber, ou simplesmente para crer. Ou somos preguiçosos demais para buscar, ou materialistas demais para entender as coisas espirituais. Você pode ser incrédulo como Tomé ou teológico como Nicodemos. O fato é que precisamos detectar os muros que nos impedem de mergulhar na profundidade de Deus. Precisamos quebrar aquilo que nos leva a ser meros robôs evangélicos.

Deus é muito profundo, muito maravilhoso. Mas para descobrirmos a intimidade Dele precisamos buscar, buscar e buscar. Não somente através de rituais, cultos e reuniões. Mas com o coração ardendo em qualquer lugar. Desde aquele quartinho escuro de sua casa, o seu escritório, até a biblioteca de sua escola, são lugares que podem se tornar lugares de adoração (Jo 4.21).

Não seja um mero robô adorador, que está programado apenas para ir aos cultos ou trabalhar para a igreja. Você foi programado por Deus para ser um adorador espontâneo, solto e livre como um pássaro. E você precisa conhece-Lo não apenas de ouvir falar, mas de com Ele estar.

Acredite, conhecer a Deus e Sua intimidade é algo que vale a pena fazer... (Lc 10.41,42)

Ramon Tessmann

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

# Reflita #

,





































.
1Coríntios 6:18-19

18. Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.
19. Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Quanto custa a sua fé?

 

Vivemos em um país cristão. Talvez 90% da população é cristã aqui no Brasil. Todo cristão tem fé em Deus e em Jesus Cristo como filho de Deus, isto é um fato.

Porém, até onde vai a sua fé? Você crê segundo a carne ou segundo o espírito? Segundo a carne até o diabo crê, sabia disso?

Muitos são os mais crentes em Deus na hora da adversidade. Quando um parente está na UTI todos dobram seus joelhos, pedem oração para todos que conhece. Porém na hora que estão com tudo ok, suas vidas estão tranquilas, deixam Deus de lado.

Quanto custa sua fé em Deus?

Judas andava com Jesus e dizia que Jesus era o filho de Deus, e sua fé custou 30 moedas de prata.
Quanto vale sua fé? Muitos se vendem por dinheiro, fama, prestígio, visualizações na internet, se deixam levar por sua vaidade ou por seu desejo de ter.

Igrejas abarrotadas de pessoas buscando receber algo, dando dinheiro esperando que receba muito mais. Que tipo de fé é esta?

Pessoas que dizem crer em Deus porém vivem sem nem falar com Ele. Dizem que Jesus é o filho de Deus porém vivem como ateus. Pessoas que dizem que Deus é tudo em suas vidas e não estão nem aí para a vontade de Deus e buscam apenas as suas vontades. Que tipo de fé é esta?

Querido, você realmente tem fé em Jesus ou está a procura de um gênio da lâmpada mágica?

Para que você tenha fé nele, Jesus derramou todo seu sangue naquela cruz. Ele pagou o preço pelos seus pecados.

Quando você busca qualquer coisa que não é Jesus, você está dizendo que o carro, a casa, o dinheiro, a fama, o prestígio, vale o sangue de Jesus derramado naquela cruz, ou seja, vale a sua alma. Você troca sua alma, que foi comprada por Jesus na cruz por coisas que não tem valor algum na eternidade.

Jesus mesmo disse:

De que adianta o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Não daria o homem o mundo inteiro em troca de sua alma?

Quanto vale a sua alma?

Por: Daniel Simoncelos

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

#Pense nisso#


Pense nisso..
Não temos o direito de julgar ninguém, nós não sabemos pelo que a pessoa está passando, então, ao invés de julgarmos, vamos apoiar!!
Devemos amar ao próximo como a nós mesmos!

Por: Giovanni Guardia / @giguardia

terça-feira, 6 de setembro de 2011

IGREJA MISSIONARIA UNIDA DE SERRA NEGRA - UNÇÃO SEM LIMITES



Agradecemos a Deus por ter capacitado a cada um! Muito obrigado Senhor, por este ministério abençoado!

Foto do ministério:


segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Legalismo X Disciplina



1 Coríntios. 9:26-27 ”Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.”

Legalismo é fazer uma lista de coisas boas, a fim se relacionar com Deus corretamente (que se contrapõe ao verdadeiro Evangelho). Disciplina, por outro lado, é fazer as mesmas coisas, porque você já está se relacionando com Deus. Legalismo procura redenção. A disciplina deve ser a marca registrada do verdadeiramente redimido. Quando estamos enraizados no conhecimento da graça de Deus, então estamos livres para correr esta corrida. Então é aí que começamos. As rotinas ou exercícios que fazemos não são esforços para ganhar (já vencemos) mas para terminar!

Temos uma geração de pessoas que começam, mas não terminaram. A razão pela qual eles caem fora da corrida não é porque não amam a Deus, mas é porque falta disciplina. O estabelecimento de padrões divinos em nossas vidas é uma coisa boa porque o Espírito Santo nos ajuda a viver de acordo com esses padrões!

Se não existem metas, então estamos nos preparando para correr sem rumo e de forma ineficaz. E o resultado final é desistir porque estamos esgotados, mesmo tendo boas intenções. Suas intenções não significam nada se suas ações se opõem a elas.

Em uma geração que está correndo por aí perseguindo sua própria cauda, vamos definir um padrão diferente. Mais uma vez, não vamos para uma vida de legalismo morto. Você tem que saber que Deus ama você! E esta é a nossa motivação para a excelência na vida.

Por Jack Mooring