quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Um fantasma chamado passado



Enquanto escrevo este texto, estou alisando as minhas asas de anjo e polindo minha auréola que reluz cada vez mais. Nossa como sou santo! Se o Papa me encontrar na rua vai mandar me canonizar imediatamente. Sou tão imaculado e vivo numa pureza tão grande que deveria parar de escrever e começar a dizer: “Glórias a mim, louvado seja o meu nome!”

Tá rindo? Bom, a não ser que você seja um anjo encarnado quero te dizer que você é um pecador, e sabe o que pecador faz? ELE PECA!

A maioria de nós tem um passado, que digamos, preferíamos esconder debaixo do tapete. Tem alguns que até conseguiram levar uma vida tranqüila, sem muitos problemas, glórias a Deus, pois tiveram a oportunidade de crescer em Cristo sem tantos traumas, mas outros, só Jeová, para limpar os pecados precisou de uma retro-escavadeira, ou melhor, um sangue derramado.

A primeira coisa que eu gostaria de falar, é que muitas vezes nós ficamos mensurando um passado de pecado com outro. Algo do tipo: “nossa, pra mim teve jeito porque eu só me envolvi com cinco moças e dei um trago, já você…”

Não entendo isso! Vamos definir uma coisa que já está mais que definida?

Passado é passado, já passou! Pecado é pecado, sem pecadinho e pecadão!

E a Palavra nos diz que “TODOS pecaram e carecem da glória de Deus” (Rm 3.23)
Outra coisa que precisamos nos ater com relação a nossa vida regressa é ao fato de muitos usarem isso para se promover. Você chega para conversar com essa “nova criatura” e, a todo o momento, ela só fala de como era a vida dela há tempos atrás… ei, ei, ei… quer mais uma dica? “Eis que tudo novo se fez, as coisas velhas se passaram e tudo se fez novo!”(2Co 5.17) Não pega bem ficar frisando os tempos de mundão, dá impressão que se está com saudades.

E por fim, sem excluir neste os grupos acima, existem aqueles que realmente sofrem quando se lembram de quanto tempo perderam longe do Salvador. De quantos anos jogaram fora e quão alto preço lhes custou. O fantasma os atormenta quando alguém duvida da sua mudança de vida; o fantasma o atormenta quando se vê diante da inquietação da luta do espírito contra a carne; o fantasma o atormenta quando o desejo bate a porta.

Lembra que você não é anjo? Então, você será tentado. Muitos serão enviados para tentar te barrar nesta caminhada de fé. Alguns enviados por satanás, outros se enviando a si mesmos para consigo (redundância proposital para mostrar que tem gente que adora ser pedra de tropeço na vida do outro).
E eu quero dizer uma coisa. Tem gente que acredita em você. Acredita que você vai dar certo. Jesus é o principal deles. Quando Ele olha o seu passado, Ele não vê o seu erro, Ele vê o sangue derramado e, quando olha o seu futuro Ele vê a obra pronta!

Eu sei que é difícil lidar com as lembranças e cicatrizes passadas, principalmente quando o passado se torna mais presente do que gostaríamos, mas não desista. Dê um passo de cada vez, até que um dia, em nome de Jesus, o seu passado vai estar tão longe que mal se dê para ver!

Por Pr. Felipe Heiderich

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O que você faz quando não há câmeras te vigiando?






















Ontem vi um filme que se chama “The Experiment“ ou Detenção que é sobre um cientista que contrata voluntários para ficarem reclusos em um local em uma experiência de detenção para analisar o comportamento humano. Este filme é baseado no Experimento de Zimbardo que aconteceu em 1971 pela Universidade de Stanford nos Estados Unidos.

Chegam ao “presídio“ e metade deles se tornam policiais e a outra metade se tornam presos. No inicio tudo parece amistoso até que a trama toma proporções terríveis. Algumas regras são dadas inicialmente e são tomadas como valores absolutos de todos. Porém a sede pelo poder faz que os policiais criem novas regras pois querem ser respeitados como tal.

Violência, humilhação, abuso sexual, sadismo…

A experiência real de Zimbardo também contou com tudo isto e não foi muito diferente do filme. Os “policias“ tiveram tendências sádicas e alguns prisioneiros tiveram graves problemas psicológicos.
Diante disto, um coisa é provada: o homem é completamente depravado e se exposto a situações onde sua cobiça, vaidade e ego são aguçados, ele pode chegar a comportamentos que nem ele mesmo se reconheceria.

Por quê disto? Será que é porque somos fruto do meio em que vivemos? Certamente que não pois haviam regras que foram violadas já no primeiro dia.
Muitos tem uma tendência moralista por querer se mostrar algo que não são, e quando estão sozinhos deixam as mascaras caírem, ou quando são submetidos à forte pressão.
Outros utilizam-se do falso moralismo para dominarem sobre as pessoas e isso explica o comportamento de alguns “pastores”, “apóstolos“, etc.

É só olhar para dentro de si para perceber que existem valores morais em sua mente que estão aí desde sempre e ao mesmo tempo existe algo que te inclina para o que é errado. Isto é o pecado que habita dentro de você e te fará chegar cada vez a situações mais desprezíveis se você der lugar a sua maldade.
O que você faz quando não tem “câmeras” te vigiando?

Jesus venceu a morte e o pecado. Para que sua história não tivesse um fim trágico como do experimento, Jesus veio para libertar aqueles que se deixarem ser transformados por Ele.
Os valores apresentados por Jesus vão além de nossa compreensão, mas que se adotados hoje, viveríamos o céu na terra.

Se você percebe que o pecado que habita dentro de você tem crescido, e você tem chegado a proporções que já não consegue controlar (sexo, trabalho, sede por dinheiro, sede por poder, pornografia, traição, cobiça, mentiras, homossexualismo, ou qualquer outra coisa que tem te destruído por dentro), Jesus pode mudar o curso de sua história. Ele morreu para que você tivesse vida. E não estou perguntando se você freqüenta igreja, pois igreja não salva ninguém, apenas um encontro real e sincero com Jesus pode mudar sua história.

Ore: Senhor Deus, eu reconheço que sou pecador. Reconheço que o pecado habita em mim e que Jesus morreu no meu lugar para me dar vida. Peco perdão pelos meus pecados. Meu coração está diminuindo por isto e peço que o Senhor mude o curso de minha história. Mude a minha vida e transforme o meu coração. Que Jesus seja o meu Senhor e Salvador. Em nome dELe que te oro, Amém!

Por: Daniel Simoncelos

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

... PENSE ...







PENSE!

Por: Giovanni Guardia / @giguardia

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Tempestade – Arte Triunfante da Graça de Deus


























Jonas 1: 2,3 Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive, e clama contra ela, porque a sua malícia subiu até à minha presença.
Porém, Jonas se levantou para fugir da presença do SENHOR para Társis.

Jonas era um homem de Deus. Um profeta escolhido por Deus para ser portador de sua palavra. Neste momento o Senhor o comissiona para ir à Nínive, capital da Assíria dizer que se não se convertessem em 40 dias, seriam destruídos.

Porém Jonas resolveu fugir da presença do Senhor. Muitos apenas colocam Jonas como fujão e ficam nisto. Porém, vamos analisar quem eram os ninivitas.

Eram um povo cruel. Quando ganhavam uma guerra, decapitavam todos os prisioneiros de guerra, a faziam pirâmides de crânios. Outras vezes crucificavam os prisioneiros, ou empalavam (atravessar o corpo com um tronco de madeira) ou arrancavam os olhos e esfolavam vivos.
Povos que eram vencidos pelos assírios, muitas vezes preferiam suicidar-se do que caírem nas mãos dos cruéis assírios.

E Jonas é chamado a pregar para este povo. Outro ponto é que Israel corria o risco de ser rendida pelos assírios e Jonas sabia disto.
O que você faria se o Senhor te chamasse para pregar ao Talibã? Te dissesse: Vai e fala aos terroristas para que se convertam, caso contrário os destruirei em 40 dias.

O que você faria?

Jonas fugiu. Aqui vemos quem é o nosso Deus. Um Deus misericordioso e bondoso. Tardio em irar-se. Aquele povo, que aos nossos olhos não merecia misericórdia, mas aos olhos de Deus, poderia mudar e se voltar à Ele.
Jonas prefere ir para Társis (sul da Espanha – 4.000km de distancia) ao invés de ir para Nínive (1.200km). Társis era vista como um paraíso distante. Salomão foi lá para buscar ouro, prata, marfim, macacos e pavões.

Jonas entra no barco e vai para lá. Porém a tempestade vêm. Eu chamaria esta tempestade de arte triunfante da graça de Deus. Fazendo que Jonas voltasse à obediência.

No barco que vai para Társis (nossa vontade) tem todo tipo de religião. Muitos procuram por um cristianismo light. Querem ser usados por Deus, mas querem escolher o destino. Querem dar apenas aquilo que desejam, e estão dispostos a dar o mínimo possível.
O problema, é que o fim deste barco é a destruição. Muitos e
ntram neste barco tentando fugir da presença do Senhor e criam deuses para si conforme as suas necessidades. Porém a tempestade como arte triunfante da graça de Deus age de maneira a tirar alguns deste barco.

A tempestade não sofre intervenção do homem. Ninguém pode detê-la. Não há o que possamos fazer contra uma tempestade. É sinal da soberania de Deus. Somente Ele tem o poder de pará-la ou fazer que continue.

John Newton, o capitão de um navio negreiro inglês, teve um encontro com esta tempestade no dia 21 de março de 1748. Neste dia, aquele que vivia uma vida, miserável como ele mesmo dizia, teve um encontro com a graça de Deus.
“Naquela noite de 21 de março de 1748, uma violenta tempestade se abateu sobre o navio, que por pouco não afundou. Homens, animais e provisões foram arrastados pela força das águas e caíram no mar. Newton orou a Deus pela primeira vez depois de anos. Ele temia estar à beira da morte e, se a fé cristã fosse verdadeira, estava certo de que não seria perdoado. John refletiu em tudo o que fizera naqueles últimos anos, inclusive a atitude de zombar dos fatos históricos do Evangelho, e ficou abalado.
Passados quatro dias, a tempestade diminuiu. Pela providência de Deus, a cera de abelha, que se encontrava no porão de carga, ajudou que o navio continuasse a flutuar. Newton atribuiu a Deus aquele livramento que tiveram. Ele começou a ler o Novo Testamento com mais interesse. Quando chegou à passagem de Lucas 15, John percebeu os impressionantes paralelos entre a sua vida e a vida do filho pródigo.
O navio ficou à deriva por um mês. Os suprimentos se esgotaram. O capitão culpou a blasfêmia de Newton como a causa dos problemas que enfrentavam e cogitou a hipótese de jogá-lo ao mar, à semelhança de Jonas. O navio avariado finalmente conseguiu seguir seu rumo para a Irlanda do Norte, a tempo de não ser apanhado por um vendaval que começava a ocorrer. Newton reconheceu que Deus respondera sua oração.
Ao chegarem em terra firme, Newton tomou a decisão de não mais xingar e blasfemar. Ele chegou a voltar para a igreja. Entretanto, ainda não era um crente em Jesus. Mais tarde ele declarou: “Penso que aquele foi o início de meu retorno para Deus, ou antes, o retorno dEle para mim; contudo, só considero que vim a ser crente em Cristo (no sentido pleno da palavra crente) muito tempo depois daquele momento”
Talvez você esteja passando pela mesma tempestade que Jonas e John Newton. Achegue-se à graça de Deus. Volte ao caminho da obediência. Pare de fugir para Tarsis, e volte-se para o Soberano Deus.
          Por: Daniel Simoncelos

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Você é fiel?




























Fiel é o que vos chama, o qual também o fará. 1 Tessalonicenses 5.23

Na terra, a fidelidade só é possível pela recepção de dons celestiais. Assim como cada folha que cresce é formada principalmente da água que a planta recebe das nuvens e do carbono captado da atmosfera, com certeza, nossas virtudes dependem do Céu e dos dons celestiais. Assim como cada pedaço de carvão que você coloca no fogo contém raios de sol que foram ali guardados por todos esses milênios que passaram desde a época em que verdejava na floresta, é certo que cada boa obra carrega dentro de si as dádivas do alto. Nenhum homem é puro, exceto por interferência de Deus; cada coisa boa, cada coisa perfeita vem da luz do Pai. D.L.Mood ( com obs. de M.B.C.)

Olhando para o texto sagrado e o comentário do autor em PENSAMENTOS PARA HORAS TRANQUILAS, notei o porque que parte dos cristãos não consegue ser fiel, merecendo não nossa crítica mas orações. É que eles não receberam isso dentro de sí, pois como disse um doutor em psicologia: “fidelidade é uma convicção e não algo que depende das circunstâncias externas” ou seja: ou você recebeu e prima por tal virtude guardando-a como uma herança, ou constantemente serás infiel.

Que a paz que Cristo reine sobre a nossa vida e busquemos com fé a herença que a nós foi reservada.

Deus é fiel!

Por: Jasson Herculano

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Salmos 17 – Escondido sob a proteção do Senhor

















Salmos 17

Senhor, aplica a tua justiça na minha vida.
Atende à súplica que te dirijo. Dá ouvidos à minha oração pois que é feita com toda a sinceridade.
Publica a tua sentença a meu favor; dá-me razão, Senhor.
Tu me puseste à prova,até durante a noite me tens examinado, e não tens encontrado nada de falso: digo realmente aquilo que penso.
Tenho seguido as tuas palavras e tenho-me guardado de andar com homens cruéis, violentos.
Dirige os meus passos nos teus caminhos para que nunca vacile.
Se te chamei, ó Deus, é porque sei que me queres ouvir.
Por isso escuta-me, dá ouvidos às palavras da minha oração.
Mostra-me as maravilhas do teu amor. Tu livras os que confiam em ti daqueles que são teus inimigos e que se revoltam contra ti.
Guarda-me como se eu fosse a menina do teu olho. Esconde-me à sombra das tuas asas,dos homens maus que me oprimem,dos meus adversários que andam à minha volta para me matarem.
Andam inchados de orgulho. Só sabem falar com altivez.
Espiam os meus passos, observam-me cuidadosamente para, assim que puderem, me lançarem ao chão.
São como leões, desejosos de se lançarem sobre a presa, e como os leõezinhos, que se escondem, mas para esperarem a sua oportunidade.
Senhor, levanta-te e fá-los parar. Livra a minha alma por meio da tua espada,dessa gente perversa.
Salva-me desta gente mundana, cujos interesses estão só nos lucros desta vida. Tu podes encher de bens materiais aqueles que amas,e fartar-lhes os filhos, e os filhos dos seus filhos.
Mas quanto a mim, a minha satisfação está em praticar a justiça, na tua presença. E quando acordar,ter a alegria de me satisfazer com a tua semelhança! (Sl 17:1-15)


A meditação de hoje está no Salmo 17 que narra Davi clamando a Deus pela perseguição de Saul e todos aqueles que buscavam tira-lo a vida. Um salmo tremendo, onde Davi suplica ao Senhor justificando sua atitudes retas.

Muitas vezes oramos como se o Senhor não soubesse nada a nosso respeito. Davi disse que o Senhor o havia sondado. Bom é estar sincero diante de Deus, porque ainda que estivessemos em pecado, se confessarmos, Ele nos ouve.

O próprio Davi disse: Se te chamei é porque me ouves, por isso te peço que ouças a minha oração.
Ah ,se todo aquele que invoca o Senhor soubesse o poder da oração, oraria-se mais,haveria também mais fé no clamar, mais franqueza em confessar a Deus(sem cerimônias) e teríamos como consequência, mais da presença Dele.

Nós veríamos menos orações “mecânicas” e mais poder do alto descendo.
Outra expressão que me chamou a atenção foi quando Davi disse: “Esconde-me a sombra de tuas asas”. Muitas vezes nos isolamos, nos escondemos em “cavernas” (isolamentos)como o próprio Davi, mas a caverna nada mais é do que uma proteção natural (humana), mas estar a sombra do Onipotente é estar em segurança através de uma proteção sobrenatural(divina).

Muitos confiam naquilo que possuem, sua segurança está nos bens. Com esta geração pervesa de nossos dias isso não é diferente,o maior interesse deles é ter mais e mais e o seu maior prazer é ser reconhecido pelos homens.

Davi clamava ao Senhor dizendo:
“Salva-me desta geração perversa”.

Para finalizar este salmo, Davi completa o seu clamor dizendo que o prazer dele, não estava na suas riquezas, nem no seu reconhecimento como rei, mas sua maior satisfação era praticar a justiça de Deus e sua maior alegria era contemplar a santidade do Senhor e Sua Presença.

Se você também deseja estar seguro debaixo da sombra do Pai, debaixo de Suas asas eu gostaria de deixar hoje essas canções que falam da grandeza do Senhor, de estar escondido sob sua proteção.

Pois só a graça do Senhor nos mantém seguros. Ela nos basta e a presença do Senhor é nosso maior prazer.

Por: Anderson Cassio Oliveira

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Silêncio e Renúncia


















Sabemos que Jesus foi humilhado, caluniado. Foi acusado de fazer o mal, sem nada ter feito. Foi açoitado, ferido, desprezado e difamado… Diante de tudo isso que Jesus sofreu, uma característica chama a atenção: ele abriu a boca em defesa própria. Essa foi a escolha que Ele fez.

As palavras do profeta Isaías nos remetem a profundidade desta atitude:
“Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a boca; como um cordeiro que é levado ao matadouro, e como a ovelha que é muda perante seus tosquiadores, assim ele não abriu a boca(…). Deram-lhe a sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte, embora nunca tivesse cometido injustiça, nem houvesse engano na sua boca”. (Isaías 53: 7, 9)

Nenhum ser humano pode dizer honestamente que sofreu tanto quanto Jesus. Ele foi, de fato, ferido, esmagado, oprimido, afligido, morto. Mesmo sem ter conhecido pecado, ele se fez pecado por nós! Em vários momentos o Senhor Jesus teve a oportunidade de romper o silêncio, e “acabar com tudo”. Mas o seu amor por nós foi maior do que todas as afrontas, e o plano para nossa salvação foi cumprido! Ele escolheu morrer por nós, calado!

Quando silenciamos e renunciamos o nosso “direito de defesa”, o Senhor vem em nosso favor. Por isso é dito que “bom é ter esperança e aguardar em silêncio a salvação do Senhor” (Lam. 3:26). Foi assim com diversos homens de Deus descritos da Bíblia, que decidiram abrir mão da sua razão e de seus argumentos para ver o que o Senhor faria. Foi assim com nosso Mestre. E em algum momento, poderá ser assim conosco.

Talvez você tenha sido também ferido, humilhado. Com certeza tal sofrimento é infinitamente menor do que o de Jesus – mas o fato dele ter sofrido mais que a soma de todos os nossos sofrimentos não o impede de compreender nossos sentimentos, pelo contrário, Ele sempre está com as mãos estendidas!
Quando estamos em momentos como este, precisamos fazer uma escolha: ou vamos nos encher das nossas justificativas e explicações, ou vamos simplesmente silenciar, entregar nas mãos de Deus e renunciar os “nossos direitos”.

Em algum momento da situação, provavelmente você estará com a “faca e o queijo na mão”, com a chance de acabar com tudo. Seu opressor estará em suas mãos e você poderá fazer a sua própria justiça. Mas o que você realmente deseja? A sua própria justiça ou a justiça do único Justo no universo?

Façamos como Davi, que embora pudesse, não atentou contra a vida de Saul. Façamos como José, que embora pudesse, não retribuiu o mal que seus irmãos lhe fizeram. Façamos como Jesus, que mesmo “sendo Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz” (Fil 2:6-8)

Que Deus nos abençoe,

Helder Assis

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Levanta e anda!

















Atos 3: 1-7 Certo dia Pedro e João estavam subindo ao templo na hora da oração, às três horas da tarde. Estava sendo levado para a porta do templo chamada Formosa um aleijado de nascença, que ali era colocado todos os dias para pedir esmolas aos que entravam no templo.

Vendo que Pedro e João iam entrar no pátio do templo, pediu-lhes esmola. Pedro e João olharam bem para ele e, então, Pedro disse: “Olhe para nós! ” O homem olhou para eles com atenção, esperando receber deles alguma coisa.

Disse Pedro: “Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isto lhe dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, ande”. Segurando-o pela mão direita, ajudou-o a levantar-se, e imediatamente os pés e os tornozelos do homem ficaram firmes.

Pensamento: Talvez você esteja passando por um estado de mendicância (condição de mendigo) espiritual. Talvez esteja inerte em sua vida e apenas espera por esmolas da parte de Deus. Muitos não experimentam mais de Deus, pois estão acostumados com as esmolas e com o lixo que encontram pelas ruas e já se esqueceram sobre quem é o Deus a quem servem.

Pedro e João conheciam ao Deus a quem serviam e não tiveram dúvidas de que aquele mendigo andaria. Deus é quem sustenta o universo em suas mãos e pode te fazer andar novamente em sua vida espiritual. Ele pode curar a sua alma e te dar do melhor desta terra.

Prata e ouro não chegam perto das bênçãos espirituais que Deus tem para sua vida. Talvez por causa do pecado, de circunstâncias, você perdeu a alegria da sua salvação e tem procurado por coisas que não saciam sua alma. O Senhor Jesus quer te levantar e restituir a alegria de sua salvação.
Se você está como um mendigo em sua vida espiritual, o Senhor te chama a levantar e andar pela fé. A confiar nEle, tomar o seu leito e caminhar. Abandone aquilo que tem te prendido e confesse seus pecados diante do Senhor!

Ore: Senhor Deus, reconheço que tenho estado inerte e preciso de um milagre. Reconheço que através de Jesus Cristo posso experimentar bênçãos espirituais sem medida e peço que o Senhor me cure. Transforme minha vida e restitui a alegria da minha salvação. Perdoe os meus pecados, Em nome de Jesus, Amém!

Por: Daniel Simoncelos

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

O inverno vai passar

















Sabe quando você tem um pesadelo onde tudo está dando errado, você está em apuros e não tem mais para onde ir? E aí você se lembra que é apenas um sonho e que tudo vai terminar bem?

Às vezes passamos por situações que parecem que vão nos engolir. Não temos o controle e o deserto parece não ter fim. A escuridão toma conta do nosso ser e não conseguimos dar um passo sequer.

Isso aconteceu com Elias. Em um determinado momento tudo perdeu o sentido e ele foi para uma caverna. Pediu a morte para si e perdeu suas esperanças. Porém para o cristão, o inverno espiritual sempre vai passar. O deserto é apenas um lugar de passagem e não de morada.

Não posso me esquecer do Salmo 30:5b O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.

Assim como o inverno passa e chega a primavera com todas as suas cores e vida, posso te dizer que para o cristão, depois do inverno espiritual, vem a primavera que traz vida, alegria e paz em Jesus Cristo. Deus tem o melhor para sua vida.

Elias, logo depois daquele momento de desespero, onde não conseguia ver esperança, foi arrebatado, não só deixou aquela situação, como foi para uma situação completamente diferente de gozo eterno ao lado do Pai.

Para o cristão tudo vai passar, o que realmente importa, é que um dia vamos ter a nossa primavera com Deus. Vamos passar a eternidade ao lado de Jesus!

Por: Daniel Simoncelos